Dissidente em greve de fome é internado pelo governo de Cuba

Jornal do Brasil

HAVANA - Dois médicos cubanos que examinaram o jornalista dissidente e psicólogo Guillermo Fariñas, em greve de fome, que até terça-feira estava há seis dias sem beber água, em sua casa, recomendaram sua hospitalização imediata.

Ele está num quadro crônico de desidratação informou Francisco Chaviano, líder do movimento Agenda para a Transição. Vieram dois médicos e uma enfermeira do governo, que acharam seu quadro de saúde muito deteriorado.

Chaviano visita Fariñas regularmente em Santa Clara, 280 km a leste de Havana. O próprio Chaviano havia sido libertado em agosto de 2007, depois de 13 anos de prisão.

Fariñas, de 48 anos, já esteve preso outras três vezes por suas atividades e iniciou o protesto na quarta-feira passada, depois da morte, um dia antes, do também grevista e preso político Orlando Zapata, para exigir a liberdade de presos políticos enfermos.