Chile pede socorro

Jornal do Brasil

SANTIAGO - Somente três dias depois de um terremoto devastador de 8,8 graus na região centro-sul do país, o Chile decidiu pedir ajuda internacional, segundo afirmou a porta-voz do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha, na sigla em inglês), Elisabeth Byrs. Foi o embaixador chileno nas Nações Unidas em Genebra, Carlos Portales, quem pediu que a comunidade internacional enviasse equipes para uma avaliação melhor dos danos.

O governo pediu assistência internacional e entregou uma lista com as prioridades declarou Byrs.

Entre as necessidades mais urgentes, o Chile listou pontes móveis, telefones via satélite, geradores elétricos e tendas de campanha. O diplomata também pediu hospitais de campanha, equipamentos cirúrgicos e centros de diálises.

O primeiro envio de ajuda externa chegou segunda-feira mesmo, da Argentina. Sob a coordenação da Organização Pan-Americana da Saúde, foram enviados três hospitais de campanha, vacinas para hepatite A e telefones por satélite. O governo chinês também anunciou a doação de US$ 1 milhão para operações de ajuda a desabrigados.

Resgate

As equipes de resgate ainda tentavam, segunda-feira, retirar corpos dos escombros. O governo elevou o número de mortos para 723 e o número de desaparecidos para 19, segundo o último balanço oficial. A região de Maule foi a mais afetada, com um total de 544 mortos e quatro desaparecidos. No total, 2 milhões de pessoas foram deslocadas pela catástrofe.

Em Concepción, moradores se queixaram de falta de água, comida e combustível.

Eles têm água, comida, cobertores, mas a polícia não nos deixa entrar protestava um homem diante de um supermercado de Concepción, invadido uma hora antes por moradores em busca de produtos de primeira necessidade.

Tiros

Reforços militares e policiais foram enviados para a segunda maior cidade do Chile, em razão do estado de exceção declarado no domingo pela presidenta Bachelet nas regiões de Maule e Biobio. Durante a noite, uma pessoa foi morta a tiros e cerca de 150 presas por não respeitarem o toque de recolher. Mesmo com a situação aparentemente mais calma segunda-feira, dezenas de moradores de Concepción saquearam e incendiaram um supermercado e um centro de abastecimento na tarde desta segunda-feira em busca de alimentos, que estão cada vez mais escassos. Outro saque foi registrado em um outro estabelecimento comercial, cujas dependências foram assaltadas em várias oportunidades.

Piñera vai ajustar prazos no programa de governo

A mudança de comando presidencial no Chile, prevista para o dia 11 de março está mantida, apesar dos danos causados na zona centro-sul do país pelo forte terremoto do último sábado, informava segunda-feira o jornal chileno La Tercera. O presidente-eleito, Sebastián Piñera, garantiu que realizará mudanças no seu programa de governo para lidar com a devastação causada pelo terremoto

Naturalmente, vamos dar prioridade a esta tarefa e isso significa mudar a ênfase, mudar as prioridades e mudar também os prazos do nosso programa de governo de forma clara e transparente afirmou Piñera em entrevista à radio Cooperativa do Chile.

O presidente-eleito também ressaltou que é preciso atuar com unidade e evitar criticar a gestão do atual governo.

Segundo Flávio Pinheiro, mestre em ciência política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), Piñera tem preparo para assumir a Presidência em meio à crise atual por já ter montado seu governo, que terça-feira está pronto para assumir.

Não acho que a posse de Piñera deva ser adiada. O Chile não é o Haiti ressalta. Santiago é institucionalmente organizada e o ministério do Piñera saberá como reagir neste cenário.

Segundo o diário El Mercúrio, vizinhos do bairro Puente Alto, em Santiago, vêm organizando desde sábado reuniões comunitárias para que moradores possam expressar seus medos e perdas ocasionados pelo terremoto que afetou seis regiões do país. Em entrevista ao jornal, a psicóloga Susana Muñoz explica que os minutos de horror vividos pela população nas regiões afetadas deixaram marcas não só nas casas e instalações mas também na mente de milhões de chilenos que perderam bens e familiares. Falar das suas experiências traumáticas permite transformá-las em um aprendizado , acrescenta a psicóloga.

Os veículos de comunicação chilenos transformaram-se em plataformas para o contato entre familiares ou amigos, à medida que várias emissoras de rádio e televisão chilenas disponibilizaram espaços em seus sites e no Twitter para pessoas que procuram parentes desaparecidos.

Para facilitar a comunicação, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton anunciou que vai levar equipamentos de rádio ao Chile quarta-feira, durante sua primeira visita ao país como secretária de Estado. Hillary disse ainda que os EUA também colocaram equipes de busca e resgate de prontidão para uma possível viagem às regiões afetadas.

A partir de terça-feira, a companhia aérea Lan Chile informou que voltará a operar parcialmente no aeroporto de Santiago para voos nacionais e internacionais, que estavam suspensos desde o terremoto. A companhia chilena e as brasileiras TAM e Gol também anunciaram a suspensão da cobrança da taxa de remarcação de passagens.

Acidente

Um pequeno avião que se dirigia à cidade de Concepción para verificar o estado de abrigos habilitados a receber a população caiu na localidade de Tomé, matando seus seis ocupantes segunda-feira, segundo a Direção Geral da Aeronáutica Civil (DGAC). Os ocupantes, um piloto e cinco membros da Universidade San Sebastián, viajavam para vistoriar o estado de abrigos destinados às vítimas do terremoto. Todos morreram na hora.