No Rio, busca de notícias no Consulado do Chile

Vivian Macedo, Jornal do Brasil

RIO - Centenas de chilenos de férias no Rio de Janeiro tiveram seus voos cancelados e sofrem com o mau atendimento e a falta de informação das empresas aéreas. Um grupo que passa férias no Rio, voltaria no último sábado para Santiago, capital chilena, porém, com os problemas ocorridos no país andino, as passagens foram canceladas e não há previsão de quando eles poderão retornar.

Domingo, os chilenos procuraram a empresa Lan em busca de informações. No balcão de atendimento, eles receberam um cartão com o telefone de um centro de informações. No entanto, nenhum deles conseguiu falar com os atendentes da companhia aérea. O descaso foi motivo de críticas por parte dos turistas.

Para Andres Gonzaez, um dos chilenos do grupo, a única solução foi procurar o consulado do país, que está se es forçando para prestar toda a assistência ao grupo de turistas.

No consulado o atendimento foi ótimo, mas a empresa não dá informação alguma e não nos atende reclama.

O cônsul do Chile no Rio de Janeiro, Horácio Del Valle, destaca que os problemas com voos são o principal motivo de chilenos procurarem o órgão. O consulado procura ajudar aos turistas, mas também sofre com a falta de informação, que é o mesmo problema de todas as companhias aéreas.

Infelizmente as empresas não respondem com a seriedade que requer a situação. São mais de 400 pessoas por dia no Rio tentando ir para o Chile. Esse número irá acumular até a normalização dos aeroportos do nosso país diz Horácio.

Ele lembra que o problema se agravou, pois é no início de março que terminam as férias no Chile, então muitos turistas voltariam neste final de semana. O aeroporto de Santiago sofreu danos na estrutura e nas pistas.

Acredito que em 24 horas a situação já comece a se normalizar diz o cônsul.

Horácio também explica que neste domingo muitas pessoas conseguiram falar com seus parentes no Chile, pois em Santiago, os serviços de energia elétrica já foram 90% normalizados. A situação segue crítica em outras áreas.