Dominicanos são presos na Itália por morte de egípcio

Agência ANSA

ROMA - A Justiça italiana determinou a permanência na cadeia de três dominicanos suspeitos de terem assassinado Hamed Sayed, egípcio de 19 anos, esfaqueado no último dia 13 em uma rua de Milão.

A ordem foi emitida pela juíza Anna Zamagni, que instituiu a prisão cautelar baseando a decisão no perigo de fuga dos três homens e na reincidência do crime.

Com 31, 19 e 18 anos, os sul-americanos são acusados de participação em homicídio voluntário agravado e lesões qualificadas. Segundo a acusação, eles mataram o egípcio depois de uma discussão banal e feriram um amigo da vítima.

Ontem, durante o interrogatório frente à juíza, os três fizeram reconstituições diferentes sobre o caso, eximindo-se da responsabilidade no homicídio. 'Chepi', o mais velho dos dominicanos detidos, é acusado de ter desferido o golpe que matou Sayed.

Em visita ao Cairo, o titular italiano da pasta da Justiça, Angelino Alfano, conversou com seu homólogo egípcio, Mahmoud Marei, sobre o caso ocorrido no dia 13.

- Pude exprimir minha satisfação pela ação desenvolvida pela polícia e pela procuradoria, que já ontem prendeu três homens suspeitos de serem os autores deste homicídio - explicou Alfano ao comentar o encontro com Marei.

- Frente a esta rápida resposta da Justiça do Estado italiano, o governo egípcio expressou seu próprio contentamento - completou o ministro.