Nova postura de Gordon Brown pode ser último recurso pré-eleições

Val Oliveira, Jornal do Brasil

LONDRES - Mais de 4 milhões de pessoas assistiram a entrevista de Brown, gerando debates não só entre especialista em política, mas também entre os eleitores nas ruas de Londres.

Não tenho dúvidas quanto à legitimidade das declarações de Gordon Brown no domingo, mas questiono o motivo por trás disso disse o gerente de desenvolvimento de clientes Oliver Newton. Me parece apropriado que, às vezes, as figuras públicas queiram manter a vida privada atrás de portas fechadas. Porém, em outros casos, isso se torna um meio conveniente para manipular a opinião pública.

Mas a desaprovação ao desempenho de Brown na TV não era unanimidade. Uma expert em marketing que o diga:

A entrevista não me pareceu um ato de desespero. Brown parece tão forte e controlado, que eu jamais consigo imaginar ele desesperado. A relação dele com a esposa é comovente, porque ela é certamente uma mulher guerreira, inteligente que realmente faz o que promete. afirmou a publicitária Matty Tong. Respeito ele mais ainda por estar com ela. Algumas pessoas veem a entrevista com um olhar cínico, mas eu acho que foi prudente e bem executada.

Polêmicas à parte, é improvável que o programa traga frutos para a candidatura de Brown, já que a escolha do entrevistador e da época da exibição não poderiam ser mais inapropriados. No entanto, prestes a se tornar um dos líderes mais impopulares da história do Reino Unido, ele não parece ter muito a perder. Um suposto ato de desespero político pode ter sido o último recurso de Brown para permanecer na Downing Street.