Ministro da Defesa do presidente eleito do Uruguai irá ao Haiti

Agência ANSA

MONTEVIDÉU - O ministro da Defesa do novo governo do Uruguai, Luis Rosadilla, viajará nos próximos dias ao Haiti, para visitar o contingente militar de seu país e para se reunir com representantes da ONU e de organizações humanitárias.

A informação foi confirmada pelo próprio Rosadilla em entrevista ao jornal Ultimas Noticias. Agora ele aguarda somente a conclusão dos trâmites administrativos para viajar à capital do Haiti, Porto Príncipe, devastada no dia 12 de janeiro por um terremoto de 7 graus na escala Richter.

O futuro ministro, que assumirá o cargo no dia 1º de março, quando o presidente eleito José Mujica tomará posse, afirmou que os militares uruguaios da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) se encontram em uma "situação complexa".

- É uma situação difícil para o conjunto do Haiti, não só para o nosso contingente, mas para todo o conjunto da população - ressaltou Rosadilla. Apesar de as Nações Unidas terem decidido aumentar seu contingente no país caribenho, Montevidéu ainda não decidiu se enviará mais oficiais.

O militar uruguaio Gonzalo Martirené, que integrava a Minustah, morreu na semana passada vítima do tremor de terra. O Uruguai também faz buscas pelo corpo do ex-jogador de futebol Daniel Varese e de seu filho de três anos.

Os dois estavam em um hotel da capital que desmoronou com o terremoto, considerado o mais forte a atingir a região nos últimos 200 anos. Na última terça-feira, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade o envio de mais 3.500 oficiais entre soldados e policiais ao Haiti, o país mais pobre do Hemisfério Ocidental.