Ajuda ao Haiti também deve se concentrar na agricultura, diz FAO

Julia Borba, Rádio das Nações Unidas

NOVA YORK - O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, Jacques Diouf, afirmou que a ajuda internacional para o Haiti também deve se concentrar no apoio urgente à produção alimentar e à reabilitação da agricultura.

Em comunicado emitido nesta quinta-feira, Diouf lembrou que a catástrofe na ilha caribenha é nacional, apesar do terremoto ter afetado com mais intensidade as áreas ao sul e oeste do país.

O diretor-geral disse que a distribuição de sementes, fertilizantes, ferramentas e o investimento em irrigação e galpões de armazenamento estão entre as prioridades da agência da ONU para o Haiti.

Ele ressaltou ainda que isso deve ser feito enquanto está em andamento a primeira fase de operação de resgate.

O Representante Regional para América Latina e Caribe, José Graziano da Silva, disse à Rádio ONU, de Santiago, que a FAO quer investimentos de US$ 23 milhões, cerca de R$ 40 milhões, para o país.

- Isso representa aproximadamente 4%, 5% da ajuda extraordinária que foi pedida pelo que chamamos flash appeal da Ocha, que é a agência das Nações Unidas para apoio humanitário de emergência - aponta.

A ONU lançou apelo humanitário para o Haiti de mais de US$560 milhões, quase R$1 bilhão.

A FAO alerta que a primavera é a temporada mais importante de plantio para o país, responsável por 60% da produção nacional de alimentos.

Segundo a agência da ONU, 53% da população haitiana vive em áreas rurais e quase metade sofre de desnutrição. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação afirma que mais de 70 especialistas da FAO estão no Haiti.