Mexicanos da capital são contra adoção de crianças por casais gays

Agência ANSA

CIDADE DO MÉXICO - A maioria dos moradores da capital mexicana disse ser contra a medida, recentemente promulgada pelo governo local, que permitirá que casais de pessoas do mesmo sexo adotem crianças.

De acordo com pesquisa promovida pelo conservador Partido Ação Nacional (PAN), 74% dos consultados não aprovam a ratificação da medida que permite a adoção. Além desta, a outra modificação promovida pela maioria esquerdista da Assembleia Legislativa do Distrito Federal determina o reconhecimento da união entre homossexuais.

Com os dados, segundo informou o dirigente Cásar Nava, o PAN, partido do presidente Felipe Calderón, está preparando um recurso de inconstitucionalidade contra essa lei.

Nava explicou que, ao aprovar as mudanças, a bancada do Partido da Revolução Democrática (PRD) "ignorou os direitos das crianças". Ao mesmo tempo, ele enfatizou que sua oposição não tem caráter discriminatório.

Por outro lado, a mesma pesquisa aponta que, apesar de se dizerem contra a adoção, os mexicanos se mostraram divididos quanto à união. Enquanto 47% disseram ser contra, 46% afirmaram apoiar os casamentos. A consulta, da GEA-ISA, ouviu 1.800 pessoas.

As alterações legais foram publicadas no último mês no Diário Oficial da capital mexicana e devem entrar em vigor até o próximo mês. O novo Código Civil estabelece que o conceito de casamento é "a união livre entre duas pessoas". Antes, era usada a definição de "união livre entre um homem e uma mulher".