Ministro denuncia plano para sequestrar presidente do Panamá

Agência ANSA

PANAMÁ - O ministro de Comércio e Indústria do Panamá, Roberto Henríquez, garantiu que está "comprovada" a existência de um plano para sequestrar o presidente do país, Ricardo Martinelli.

A informação foi divulgada em um comunicado emitido pela Presidência. Os supostos responsáveis seriam dois agentes do Sistema de Proteção Institucional, que trabalhavam diretamente com Martinelli.

Segundo Henríquez, os seguranças foram "aparentemente abordados por um estrangeiro de nacionalidade porto-riquenha para planejar o sequestro do presidente".

O ministro disse à emissora de televisão local TVN-2 que provavelmente havia o interesse "de entregá-lo a algum grupo".

- O presidente Martinelli gosta muito do contato com o povo, mas deve entender que tem de se cuidar. O governo não precisa de cortinas de fumaça, pois está trabalhando pelo povo. Uma pesquisa publicada hoje dá 91% de apoio a Martinelli, que é o presidente mais popular da América Latina - ressaltou o funcionário.

Embora tenha afirmado que "as investigações ainda não foram concluídas", o ministro garantiu que a informação sobre o sequestro "é completamente verídica". - Podem existir mais ramificações nesse plano - advertiu.

Martinelli, um empresário do setor de supermercados, foi eleito presidente do Panamá em maio do ano passado com cerca de 60% dos votos.