Brasileiros querem adotar crianças haitianas

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - A comoção dos brasileiros com a tragédia no Haiti não se limitou às doações e envio de ajuda humanitária. Terça-feira, a embaixada do Haiti em Brasília informou que, desde o terremoto do dia 12, já recebeu mais de 300 pedidos de brasileiros interessados em adotar crianças haitianas que ficaram órfãs com o desastre.

A representação diplomática do país caribenho, no entanto, informou que no momento está priorizando outros tipos de procedimentos, mais urgentes, e que deve dar andamento a eventuais processos de adoções somente após alguns dias. Por enquanto, os casais que procuram a embaixada são orientados a mandar um e-mail com dados pessoais para que os pedidos sejam encaminhados quando a situação no país estiver mais normalizada.

O problema das crianças haitianas que perderam os pais no terremoto preocupa as Nações Unidas. Terça-feira, a entidade recomendou, contudo, que processos de adoção sejam evitados por enquanto.

A Câmara Federal também pretende se juntar aos esforços do Brasil para ajudar o Haiti. O presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP), já encomendou um estudo da consultoria jurídica da Câmara para saber se é possível a instituição realizar uma doação financeira para o país caribenho. Caso a equipe jurídica dê o aval, o repasse pode chegar a R$ 300 mil.

Temer também lançou nos veículos de comunicação da Câmara uma campanha de doações para incentivar deputados e servidores a realizarem doações financeiras aos desabrigados. Os recursos arrecadados serão repassados para a embaixada do Haiti.