Papa diz a embaixador turco que Igreja espera status jurídico

Agência ANSA

CIDADE DO VATICANO - O papa Bento XVI disse ao novo embaixador da Turquia junto à Santa Sé, Kenan Gursoy, que a "Igreja ainda espera um reconhecimento de status jurídico" do governo do país, de modo a consentir em uma "plena liberdade religiosa".

No encontro para a apresentação das credenciais do diplomata, ocorrido durante a manhã de hoje no Vaticano, o Pontífice afirmou que a Turquia está se tornando um parceiro crucial nas relações multilaterais e lembrou que os católicos da região "apreciam a liberdade de culto garantida pela Constituição".

Bento XVI também expressou votos para que o diálogo entre cristãos e muçulmanos "possa trazer uma maior confiança entre os indivíduos, comunidades e povos, especialmente nas áreas atormentadas do Oriente Médio".

O Santo Padre recordou sua viagem a Istambul, ocorrida em 2006, "a primeira do papa a um país de maioria muçulmana", com 75,2 milhões de habitantes, a Turquia é constituída por 97,3% de pessoas com essa crença.

O Pontífice se disse satisfeito de ter podido exprimir sua estima pelos islamitas e "reiterar o compromisso da Igreja Católica em levar adiante o diálogo inter-religioso em um espírito de mútuo respeito e amizade", "dividindo o testemunho de fé em Deus que caracteriza cristãos e muçulmanos" e empenhando-se sempre mais "em um conhecimento recíproco que aperte os laços de afeto que nos unem".