Uribe critica Farc após guerrilha culpá-lo por morte de governador

Agência ANSA

BOGOTÁ - O presidente colombiano, Álvaro Uribe, classificou hoje os membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) de "mentirosos" e "assassinos", depois da divulgação de um comunicado em que esse grupo responsabilizou o mandatário pela morte do governador do departamento [estado] de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar.

"Este grupo narcoterrorista das Farc é assassino e mentiroso. Derrama sangue e, em seguida, escreve comunicados doutorais. Derrama sangue e mente", afirmou o presidente a uma rádio regional. No informe, publicado na noite de ontem pela agência Anncol, as Farc assumiram a autoria do assassinato, mas culparam Uribe pelo desfecho do episódio, por ele ter ordenado o regate militar do governador.

No dia 21 de dezembro, sequestradores invadiram a casa de Cuéllar, em Florencia, capital de Caqueta, e o raptaram, em ação que ainda matou um dos seguranças da casa do político.

Segundo versões oficiais, os guerrilheiros teriam degolado o governador e colocado explosivos em volta de seu corpo para atrasar o resgate, depois que perceberam a presença de militares.

No informe, a guerrilha considerou Cuéllar como "corrupto", razão pela qual pretendia realizar um "julgamento político".

Hoje, Uribe também criticou seus compatriotas que vivem na Europa e "servem de cúmplices a esses criminosos" por escreverem os comunicados do grupo.

Essa declaração foi feita em referência à agência Anncol, que costuma divulgar os textos da Farc e teria sede em Estocolmo, na Suécia.