Site divulga foto de homem que tentou explodir avião nos EUA

Portal Terra

SÃO PAULO - Foi divulgada pelo site de notícias africano Sahara Reporters uma fotografia que seria do nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, 23 anos, que tentou explodir uma bomba e um voo da Delta Airlines, em Detroit nos EUA, na noite dessa sexta-feira. Não foi especificada a data, nem o local onde a foto foi tirada.

O nigeriano foi oficialmente acusado nesse sábado por ter tentado destruir a aeronave que ia de Amsterdã a Detroit com mais de 200 passageiros a bordo, indicou o Departamento de Justiça em um comunicado.

Alhaji Umaru Mutallab, pai de Abdulmutallab, teria alertado a Embaixada americana na Nigéria sobre a "radicalização" de seu filho e dizer que ele estava "planejando algo", informou a rede de TV CNN.

Segundo um membro da família citado pela CNN, Mutallab entrou em contato há três meses com várias agências de segurança americanas e com a Embaixada de Washington em Abuja, alarmado por uma mensagem de texto que recebeu de seu filho alguns dias antes. Na mensagem, o jovem informava a sua família que estava abandonando o centro universitário no qual estudava em Dubai para viver no Iêmen e iniciar uma nova vida, seguindo a chamada do Islã.

O membro da família ouvido pela CNN disse que Abdulmutallab não obteve o consentimento nem o apoio da família nesta decisão, e mesmo assim "fugiu para o Iêmen".

- Sua mãe não conseguiu dormir durante meses. Agora, ela está tomando remédios para dormir - disse.

A informação cedida por Mutallab teria sido enviada ao Centro Nacional contra o Terrorismo, e o nome do jovem teria sido colocado em uma base de dados de suspeitos de terrorismo, o que não evitou que ele recebesse um visto para viajar aos EUA durante um período de vários anos.

O incidente ocorreu por volta da 0h de sexta-feira (hora local), quando um voo procedente de Amsterdã com 278 passageiros a bordo, alguns deles procedentes da Nigéria, iniciou as manobras para pousar no aeroporto de Detroit. Abdulmutallab tentou ativar uma bomba no interior da cabine de passageiros, mas vários deles e membros tripulação conseguiram contê-lo.

O indivíduo foi colocado à disposição da Justiça e levado para um hospital para ser tratado de queimaduras de segundo e terceiro grau. O suspeito chegou a Amsterdã em um voo da KLM procedente de Lagos, na Nigéria. Na capital holandesa, ele não foi submetido a nenhuma revista adicional. Simplesmente pegou sua conexão para os EUA.

Funcionários do governo, citados pela imprensa americana, disseram que os investigadores não têm evidências de que Abdulmutallab seja um membro da Al-Qaeda ou tenha sido treinado para executar ataques.