Passageiros relatam pânico após explosão em ato terrorista

Portal Terra

ESTADOS UNIDOS - Os passageiros do voo da companhia americana Northwest Airlines que fazia a rota Amsterdã-Detroit descreveram os momentos de pânico em que um suposto terrorista nigeriano tentou explodir um artefato próximo a aterrissagem na sexta-feira. Os relatos dão conta de uma pequena explosão, gritos, cheiro de queimado e da agilidade de tripulantes e passageiros para conter a tentativa de ataque ao avião que pousou na cidade americana com 278 pessoas.

- Aconteceu uma explosão e todos ficaram um pouco surpresos - disse ao canal CNN de televisão Syed Jafry, que estava três fileiras atrás do suposto terrorista, identificado como Abdul Faruk Abdulmutallab. - Depois de alguns segundos houve um pouco de luz, como a produzida por chamas, e depois vimos fogo. Muitos passageros correram para o local com água, extintor. Havia um jovem que estava três ou quatro bancos atrás de mim e controlou bem o suspeito - completou.

Uma passageiro afirmou que um homem jogou um cobertor sobre o nigeriano para acabar com o fogo. "Foi aterrorizante. Acredito que todos nós pensamos que não íamos conseguir pousar", disse Richelle Keepman, segundo a CNN. Um outro passageiro relatou que a explosão foi como um estouro de balão de ar e que sentiu o cheiro de fumaça. No entanto, o pânico durou apenas alguns minutos. Após ser dominado, o nigeriano foi levado para um assento na primeira fila. Ele estava com as calças cortadas e as pernas queimadas.

De acordo com Melinda Dennis, que também estava no voo, o suposto terrorista não disse nada e não aparentava sentir medo ou dor.

- Ele tinha as pernas bastante machucadas e as pessoas tentavam garantir que não havia mais nenhuma arma. Ele não mostrou nenhum sinal de espanto, simplesmente sentou lá na frente como outro passageiro qualquer - afirmou à CNN.

Na sexta-feira, um homem de nacionalidade nigeriana, identificado pelas autoridades como Umar Farouk Abdul Mutallab, 23 anos, tentou detonar explosivos durante um voo da companhia Northwest Airlines (pertencente à Delta Airlines). Ele disse que seguia instruções da Al-Qaeda para detonar o aparato em solo americano. A Casa Branca classificou o incidente como uma tentativa de um atentado terrorista.

Testemunhas disseram que o voo número 253 decolou de Amsterdã, na Holanda, e estava a 20 minutos do aeroporto de Detroit, quando uma explosão semelhante a fogos de artifício foi ouvida. Um passageiro se queimou ao tentar dominar o autor da explosão. Após ser dominado, o nigeriano foi levado para um assento na primeira fila. Ele estava com as calças cortadas e as pernas queimadas.

Segundo funcionários de departamentos de inteligência dos Estados Unidos, o explosivo era feito de uma mistura de pó e líquido, mas falhou quando o passageiro tentou detoná-lo. Segundo o passageiro Peter Smith, o som ouvido foi semelhante ao de fogos de artifício abafados por um travesseiro.

- Primeiro teve o estouro e depois fumaça - afirmou. Ele relatou que o passageiro que tentou conter o nigeriano pulou sobre passageiros para dominá-lo.