Recomeça julgamento de nazista ucraniano

Jornal do Brasil

MUNIQUE - O julgamento de John Demjanjuk, nazista de 89 anos acusado de ajudar a matar cerca de 27.900 judeus nas câmaras de gás do campo de extermínio de Sobibor, na Polônia, foi retomado em Munique, depois de ter sido suspenso no início do mês em virtude de uma gripe do acusado. Demjanjuk, que tentou suspender o julgamento mas teve sua moção rejeitada pelo tribunal, serviu em Sobibor como guarda voluntário entre março e outubro de 1943.

Nascido na Ucrânia, em 1920, Demjanjuk foi capturado pelas tropas de Hitler em 1942. De soldado soviético, ele passou a prisioneiro de guerra e, posteriormente, guarda voluntário em Sobibor e em outros campos.

Nos anos 1950, mudou-se para os Estados Unidos se passando por vítima do nazismo e trocou seu nome de batismo de Ivan para John. É a primeira vez que a Alemanha processa um estrangeiro acusado de participar do aparelho nazista como guarda voluntário.

Chacina

O campo de Sobibor era exclusivamente dedicado ao extermínio de judeus de toda a Europa, e estima-se que até 250 mil pessoas morreram lá, a maioria em câmaras de gás.

Nenhuma das 23 testemunhas da acusação têm condições de identificar o acusado. Portanto, o principal trunfo da acusação é a carteira de Demjanjuk na SS, a tropa de choque nazista, segundo a qual ele serviu no campo de Sobibor por seis meses.

Demjanjuk nega que tenha se envolvido com o Holocausto e a família dele insiste que ele está muito frágil para enfrentar o julgamento.