Decisão de não celebrar o Natal em escola italiana é criticada

Agência ANSA

ROMA - A decisão de alguns professores do ensino primário da província de Cagliari, de não realizar a tradicional festa de Natal por respeito às crianças da religião islâmica tem causado polêmica.

- É impensável trocar as nossas crenças religiosas - disse o assessor regional da Cultura e do Ensino Público, Lucia Baire, ao comentar o assunto.

Baire esclareceu ainda que "o diálogo, o respeito recíproco e a convivência com as outras religiões são, para nós, um valor, mas, por isso mesmo, não podemos renunciar ou perder a nossa identidade".

A polêmica foi gerada por dois professores de uma escola local, que decidiram não participar das festividades organizadas para o fim do ano.

Os docentes argumentaram que previa-se a celebração do Natal com a leitura de um trecho da Bíblia, o que "forçaria" as crianças muçulmanas, que fazem parte de suas turmas, a participarem do encontro.

- A decisão [de não participar] foi tomada em consenso com os organizadores [do evento] e não acreditamos que algum direito tenha sido lesado - disseram os dois em um artigo publicado na região.