Colômbia se prepara para uma eventual agressão, diz ministro

Agência ANSA

BOGOTÁ - O ministro colombiano da Defesa, Gabriel Silva, afirmou em entrevista à imprensa local que o país se prepara, pela primeira vez em muitas décadas, para uma agressão externa, risco que, segundo ele, tem aumentado recentemente.

- Não estamos nos preparando para uma agressão, mas para evitá-la - disse Silva em entrevista ao jornal El Tiempo.

Segundo o ministro, o país se prepara porque "o risco de agressão aumentou" e, "em temas de Defesa não podemos esperar que as coisas ocorram".

- Temos uma doutrina de dissuasão mínima, ou seja, as capacidades mínimas necessárias, que não nos desviem de nosso objetivo fundamental, que é manter a ordem pública interna - explicou.

Contudo, segundo ele, a Colômbia não tem com o que se preocupar. - Temos o melhor Exército da América Latina, temos homens e mulheres que já entraram em confronto; na maioria dos países da região [as pessoas] nunca combateram, nenhum de seus soldados esteve em uma guerra, os nossos já estiveram. É um Exército de calibre mundial. Não somos indefesos -esclareceu.

Na entrevista, o ministro ainda advertiu sobre a "ofensiva" que tem sido lançada pelo governo do venezuelano Hugo Chávez e afirmou que o país vizinho "investiu centenas de milhões de dólares em armas, enquanto a população passa por necessidades".

O ministro também alertou para o fato de Chávez "não revelar nenhum dos acordos que tem com o Irã, com a Rússia", e considerou, sem fazer citações diretas, que "outros países inventam histórias de ameaças externas para poder gastar milhões de dólares em armas que não precisam, com a desculpa de uma suposta agressão externa".

As declarações do ministro surgem logo após o governo colombiano ter anunciado a abertura de sete novos batalhões do Exército, dois deles localizados próximos às fronteiras com a Venezuela.