Estudantes colombianos e venezuelanos promovem amistoso pela paz

Agência ANSA

CARACAS - Estudantes da Venezuela e da Colômbia vão jogar uma partida de futebol com o objetivo de promover a paz entre os dois países.

O amistoso será realizado no dia 3 de dezembro e foi anunciado por universitários venezuelanos opositores ao governo do presidente Hugo Chávez.

De acordo com o dirigente estudantil David Smolansky, os adolescentes têm grande "preocupação" pelas constantes tensões entre Venezuela e Colômbia e "especialmente pelas declarações do governo venezuelano, que em mais de uma ocasião lançou ameaças de guerra".

Smolansky informou que, "para estreitar os laços entre os venezuelanos e os colombianos", a partida ocorrerá no estado venezuelano de Táchira, que fica na fronteira das duas nações.

Bogotá e Caracas mantêm relações diplomáticas congeladas desde julho, quando o governo do presidente colombiano, Álvaro Uribe, lançou denúncias de que armas compradas pelo país vizinho foram encontradas em acampamentos da Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O grupo guerrilheiro, no ano passado, também foi motivo de tensão entre os dois países, já que Chávez retirou seu embaixador em Bogotá, em um gesto de apoio ao Equador, após o exército colombiano realizar uma incursão contra as Farc em território equatoriano.

No mesmo mês de julho, o conflito entre os dois países se intensificou devido ao anúncio de um acordo militar entre Colômbia e Estados Unidos.

O tratado, que permite que um contingente de até 1.400 oficiais norte-americanos opere em sete bases colombianas, foi criticado por países sul-americanos, principalmente Equador e Venezuela, que acreditam que isto representa uma "ameaça" à soberania e à segurança da região.

Recentemente Chávez chegou até a dizer que as Forças Armadas venezuelanas e a população devem se "preparar para a guerra", diante de uma eventual agressão a partir das bases militares colombianas.