Número de mortes em ataque nas Filipinas sobe para 46

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - Duas províncias e uma cidade do sul das Filipinas entraram em estado de emergência terça-feira depois de uma chacina com motivações políticas deixar 46 mortos. Muitas das vítimas do massacre na província de Maguindanao eram mulheres do poderoso clã Mangudadatu. Também há cerca de 12 jornalistas entre os mortos.

O estado de emergência, que dá a policiais e militares amplos poderes para fazer prisões, é por tempo indeterminado nas vizinhas províncias de Maguindanao e Sultan Kudarat, e também na cidade de Cotabato.

Com pás, e muitas vezes usando as próprias mãos, soldados escavaram valas às pressas para receber os corpos dos mortos num morro de Maguindanao. Entre as vítimas, havia corpos feridos a bala e faca. Alguns homens estavam com as mãos amarradas às costas. Uma mulher grávida estava entre os mortos.

A presidente filipina, Gloria Arroyo, determinou o envio de reforços militares à região e demitiu o chefe provincial de polícia de Maguindanao.

Nenhum esforço será poupado para trazer justiça às vítimas e responsabilizar os perpetradores no total limite da lei disse ela.

O ataque que resultou nos assassinatos ocorreu quando várias integrantes do clã Mangudadatu, acompanhadas de jornalistas e advogados, estavam a caminho de apresentar a candidatura de um parente para as eleições de maio de 2010. O comboio foi detido por cerca de 100 homens armados, que levaram o grupo para longe da estrada e o teria atacou com rifles M-16 e facões.