Sob protestos, Ahmadinejad é recebido por Lula em Brasília

Portal Terra

BRASÍLIA - Sob protestos de brasileiros e israelenses, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva manteve o ritual para recepção de chefes de Estado com o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.

Em frente ao Palácio do Itamaraty, um grupo de manifestantes reclamou da visita do iraniano ao Brasil, e principalmente do diálogo mantido com o presidente Lula após as polêmicas declarações de Ahmadinejad sobre o holocausto, homossexualismo e armas nucleares.

Não houve confronto com a polícia, que destacou o Batalhão da Cavalaria para conter qualquer tentativa de aproximação dos manifestantes da comitiva do presidente iraniano. Ahmadinejad chegou sorridente para o cumprimento inicial ao presidente Lula.

Considerado um dos maiores inimigos dos Estados Unidos e dos direitos humanos, o presidente do Irã classifica o presidente Lula como amigo. No Brasil, Ahmadinejad chegou acompanhado de uma comitiva com 200 empresários que vão tratar de negócios nas áreas de agricultura, mineração e energia, além de ciência e tecnologia.

O tema paz no Oriente Médio, no entanto, é o que vai ocupar a maior parte da agenda. É a primeira vez que um presidente da República Islâmica do Irã vem ao Brasil e Lula deve repetir a Mahmoud Ahmadinejad o mesmo discurso feito ao presidente de Israel, Shimon Peres, e da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas: que a paz é possível no Oriente Médio mantendo a autonomia das nações.

O presidente Lula contrariou a opinião e conselhos de diversas autoridades americanas e da América Latina para que não recebesse Ahmadinejad no Brasil.

Sobre a reprovação internacional do projeto nuclear iraniano, o presidente Lula defende que o país tem direito a usar a energia nuclear para a paz, como alternativa ao petróleo e gás.

Os não simpatizantes do governo iraniano acreditam que o presidente Lula tem a "obrigação moral" de dizer a Ahmadinejad que o Brasil não concorda com o autoritarismo e opressão a que os iranianos estão expostos.