Congresso hondurenho começa a discutir restituição de Zelaya

JB Online

TEGUCIGALPA - O Congresso hondurenho começou a discutir o conteúdo do acordo para pôr fim à crise política no país, disse o presidente do Legislativo, José Alfredo Saavedra. - Nós conhecemos hoje o teor do acordo, que vamos distribuir aos 128 deputados - afirmou Saavedra à rádio HRN. No entanto, ele não deu nenhuma data para a sessão extraordinária que votará o chamado Acordo Guaymuras Tegucigalpa/San Jose, porque o Congresso está em recesso.

Pelo menos 65 deputados teriam de votar a favor do retorno de Zelaya ao poder. O presidente do Legislativo prometeu que 'nada vai ser feito fora desse acordo, porque esse acordo é o resultado do diálogo entre vários setores da sociedade'.

Mas ele alertou que 'o Congresso é um poder inteiramente independente do resto das autoridades constituídas' e cada membro é livre para decidir.

Enquanto isso, Eduardo Reina, conselheiro de Zelaya, disse em comunicado que o acordo identifica especificamente o procedimento para reverter o golpe de Estado e qualquer interpretação fora desse contexto, será mais uma afronta ao povo de Honduras e da comunidade internacional.

O conselheiro pediu que o Congresso aja com a diligência necessária e velocidade.

Na quinta-feira deve ser formado um governo de união nacional para governar até 27 de janeiro, quando haverá a entrega do poder ao vencedor das eleições de 29 de novembro.