Berlusconi e Sarkozy pedem medidas contra a imigração ilegal

Agência ANSA

ROMA - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, enviaram uma carta conjunta ao presidente do turno da União Europeia, Fredrik Reinfeldt, e ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, para pedir "ações concretas" contra a imigração ilegal.

No documento, que foi escrito em vista do Conselho Europeu dos próximos dias 29 e 30, os chefes de Governo destacam que a imigração clandestina, especialmente no mar Mediterrâneo, representa "um desafio importante" para a Europa.

Berlusconi e Sarkozy solicitaram medidas precisas para reforçar a atuação da Agência Europeia de Fronteiras (Frontex) e concluir um acordo com a Líbia.

Este tratado serviria para ajudar as autoridades de Trípoli a controlar melhor os próprios limites geográficos e a gerir de maneira mais eficaz o fluxo de imigração irregular que afeta o país e as nações europeias.

O presidente francês e o premier italiano também ressaltaram que a solidariedade europeia "não pode permanecer em palavras", mas sim, "deve se traduzir em autêntica distribuição de responsabilidades" para resolver a questão.

Os dois líderes disseram esperar que "a partir do próximo Conselho Europeu sejam tomadas decisões concretas".

O problema da imigração clandestina é debatido há tempos por alguns países europeus. Na Itália, foi aprovada uma lei que criminaliza os estrangeiros ilegais.

O dispositivo eleva para seis meses o prazo máximo durante o qual os imigrantes clandestinos podem permanecer detidos nos centros de acolhida, proíbe seu acesso a serviços públicos e autoriza a realização de rondas de civis para auxiliar no combate à criminalidade.