Comissões de Zelaya e Micheletti voltam a dialogar

REUTERS

TEGUCIGALPA - A comissão negociadora do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, aceitou nesta quinta-feira retomar o diálogo para resolver a crise polítca do país, diante de uma nova proposta do governo de fato, liderado por Roberto Micheletti

- O diálogo foi retomado hoje (quinta-feira), às cinco da tarde. Há uma nova proposta e vamos analisá-la. Não sei se vamos aceitá-la ou não - disse à imprensa o jornalista Rodil Rivera, membro da equipe de Zelaya.

Representantes do presidente deposto, Manuel Zelaya, e do presidente de fato, Roberto Micheletti, já passaram horas conversando nas últimas semanas e chegaram a alguns consensos, mas não acerca do principal impasse: a restituição ou não do antigo líder ao poder.

Os zelayistas propõem que o Congresso decida sobre o assunto, enquanto o governo de facto defende que a decisão cabe à Suprema Corte.

Zelaya foi deposto por militares em 28 de junho por causa de suas tentativas de mudar a Constituição para disputar um novo mandato. Levado ao exílio, voltou clandestinamente a Honduras há cerca de um mês, e desde então se encontra refugiado na Embaixada do Brasil, que está cercada por militares e policiais com ordens para prendê-lo.

Victor Meza, chefe da comissão que representa Zelaya, disse à Reuters pouco antes da apresentação da proposta dos representantes de Micheletti que a restituição do presidente deposto é um ponto irrenunciável.

- Enquanto não houver um acordo na forma de restituição do presidente Zelaya, não há um acordo completo - enfatizou.

As autoridades eleitorais de Honduras afirmaram na quinta-feira que podem levar a cabo eleições livres e justas, apesar da crise política em curso.