Uruguai: candidato governista admite fracasso em segurança

Agência ANSA

MONTEVIDÉU - O senador José Mujica, candidato governista à presidência do Uruguai, admitiu que a atual administração federal não pôde resolver o problema da falta de segurança no país, mas ressaltou que "não foi por descuido".

- Fomos superados pelas circunstâncias antes de encontrar uma solução - disse Mujica, que concedeu em entrevista à rádio El Espectador.

Segundo ele, combater a criminalidade não foi uma tarefa fácil nos últimos anos, especialmente devido às condições em que se encontrava a polícia quando a coalizão Frente Ampla chegou ao poder, em 2005, com Tabaré Vázquez.

- Um policial de baixa patente ganhava 4,5 mil pesos [o equivalente a US$ 217] quando assumimos a presidência. Agora, o salário é de 11 mil pesos [US$ 531]. Não dá para tocar o céu com as mãos, mas como poderíamos ter uma segurança de primeira antes? - questionou.

O problema é um dos principais focos de crítica da oposição e do candidato do Partido Nacional, o ex-presidente Luis Lacalle (1990-1995), que prometeu durante a campanha, uma vez eleito, "pôr fim ao recreio" e usar "mão pesada" na luta contra a criminalidade.

As campanhas para as eleições presidenciais de domingo foram encerradas neste fim de semana. A maioria das pesquisas de intenção de voto dá a vitória a Mujica. Caso haja necessidade de um segundo turno, a votação ocorrerá em 29 de novembro.