Coreia do Norte quer fazer reunião de cúpula com Seul

Jornal do Brasil

RIO - A Coreia do Norte está procurando realizar uma reunião de cúpula com a Coreia do Sul, disse neste domingo uma autoridade sul-coreana, o que indica uma nova iniciativa em sua tentativa de se entender com outros países, depois de ser atingida por sanções da ONU.

A Coreia do Norte está sendo afetada por fortes chuvas que reduziram suas colheitas e pelas sanções impostas pela ONU depois que realizou, em maio, um teste nuclear. O objetivo das sanções é cortar o lucrativo comércio de armas norte-coreano. Nos últimos meses, o país tomou várias medidas de aproximação com Estados Unidos e Coreia do Sul, seus tradicionais inimigos.

Eles (norte-coreanos) disseram teoricamente que uma cúpula seria possível assim que o diálogo entre o Norte e o Sul alcançar algum progresso disse a autoridade, que pediu para não ser identificada.

A Coreia do Norte indicou querer manter melhores relações com o Sul quando o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, se encontrou com seu líder, Kim Jong-il, este mês na capital norte-coreana, Pyongyang.

As duas Coreias realizaram duas reuniões de cúpula que resultaram no envio de grande quantidade de ajuda para o Norte e a promessa de líderes do Sul de reerguer a dilacerada economia norte-coreana.

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, no poder desde 2008, disse estar disposto a participar de uma cúpula, desde de que esteja vinculada a medidas significativas da Coreia do Norte para pôr fim a seus planos de armamento nuclear.

Um alto funcionário da defesa dos EUA em Washington afirmou, em declarações divulgadas ontem: Nós repentinamente chegamos a uma fase agradável com a Coreia do Norte, com Kim Jong-il convidando o presidente Lee Myung-bak a visitar Pyongyang .

O Norte havia rompido relações com Lee, como reação por ele ter cortado a assistência incondicional dada ao país e ter estabelecido que a ajuda tem de estar relacionada ao desarmamento nuclear.

A ajuda do Sul já correspondeu a quase 5% da economia do Norte. As duas Coreias estão tecnicamente em guerra porque seu conflito de 1950 a 1953 terminou com um cessar-fogo, sem um tratado de paz.