Karadzic pede que ONU reconheça sua imunidade

REUTERS

AMSTERDÃ - O ex-líder servo-bósnio Radovan Karadzic pediu nesta sexta-feira às Nações Unidas que validem um acordo de imunidade recusado pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPIY).

Karadzic, de 64 anos, vem tentando sem sucesso adiar o julgamento em Haia, na Holanda, e fazer com que sejam anuladas as acusações contra seu papel na guerra. Ele pode pegar prisão perpétua por 11 delitos de crimes de guerra, crimes contra a humanidade, assassinato, deportação, terror e ataques ilegais contra civis.

Seu julgamento começará em 26 de outubro em Haia, determinaram os juízes na quinta-feira, depois de rejeitarem as alegações de imunidade feitas por ele.

Karadzic liderou os sérvios da Bósnia na guerra de 1992-1995, que matou 100.000 pessoas. Ele tentou obter a anulação das acusações alegando que o ex-mediador norte-americano do processo de paz na Bósnia, Richard Holbrooke, lhe ofereceu imunidade em 1996 se ele deixasse a vida pública.

Holbrooke negou várias vezes que tenha feito isso e no começo desta semana o tribunal também rejeitou qualquer reivindicação de imunidade, bem como o apelo de Karadzic para o adiamento do início do julgamento por 10 meses, para se preparar.

- Em 12 de outubro, a Câmara de Apelações do Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia determinou que o acordo com o sr. Holbrooke não tinha efeito sem uma resolução do Conselho de Segurança. Portanto, eu apreciaria se vocês elaborassem a resolução requerida - escreveu Karadzic em uma carta.

- Eu mantive minha parte no acordo - disse ele, acrescentando que Holbrooke não cumpriu sua parte e pedindo que o Conselho de Segurança "honre o acordo".

O ex-líder servo-bósnio também é acusado por dois delitos de genocídio referentes ao cerco de 43 meses de Sarajevo e ao massacre de 8.000 homens e meninos muçulmanos em Srebrenica.

Depois de 11 anos foragido, Karadzic foi preso no ano passado e levado a Haia para julgamento. Ele nega todas as acusações.