Comitiva francesa refaz trajetória de tripulação do voo AF-447

Portal Terra

RIO - Uma delegação da França chefiada por juízes e integrantes da Polícia Nacional Francesa desembarcou no Brasil esta semana com a missão de tentar reconstruir a trajetória e os últimos passos da tripulação responsável pelo voo AF-447 da Air France, que caiu no oceano Atlântico em 1º de junho quando fazia a rota Rio de Janeiro-Paris. Todas as 228 pessoas a bordo morreram.

Nos próximos 15 dias a comitiva deve colher informações que possam elucidar os motivos da tragédia. A ideia é ouvir pessoas que estavam no hotel onde os funcionários da Air France estavam hospedados e aqueles que tiveram contato com eles no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio.

O secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Junior, já entregou à comissão caixas com gravações de todas as conversas entre a torre de controle, o comandante da aeronave e os laudos dos 50 corpos resgatados na região de Pernambuco. Os enviados franceses fazem sua apuração nesta quinta-feira em São Paulo e, a partir de amanhã, ficarão por uma semana no Rio de Janeiro. Já foram colhidas as informações disponíveis em Recife, para onde eram levados e identificados os corpos das vítimas.

A delegação é composta pelos juízes de instrução Sylvia Zimmermann e Yann Daurelle, pelo diretor do inquérito coordenado pela Polícia Nacional francesa, Xavier Mulot, pelo adjunto policial Alain Vera, e pelos adidos Policiais da Embaixada da França no Brasil, Laurent Serafini, Patrick Vicente e Philippe Haynau.

De acordo com Zimmermann, a autoridade central francesa, que coordena um inquérito específico sobre o acidente, tem procurado entrar em contato com os familiares das 228 vítimas e verificar eventuais falhas mecânicas na aeronave.

Entre as hipóteses levantadas para a queda do Air Bus AF-447 na época do acidente estavam o mau tempo e as fortes turbulências sobre o oceano e falhas técnicas para a medição da velocidade do avião feitas pelos tubos de pitot.