Irã violou regras ao não relatar usina, diz AIEA

Jornal do Brasil

RIO - O Irã violou uma regra de transparência da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) ao não revelar há mais tempo que constrói uma nova fábrica de material nuclear, disse ontem o diretor da instituição, Mohamed El Baradei.

O Irã notificou a construção da nova usina à AIEA em 21 de setembro. Potências ocidentais dizem que Teerã só o fez depois de saber que governos exteriores haviam descoberto a construção, que começou há três anos e meio.

Fontes diplomáticas ocidentais dizem que a fábrica está escondida no subsolo de uma encosta montanhosa, num antigo quartel da Guarda Revolucionária. A revelação reforçou a suspeita ocidental de que o Irã tenta desenvolver armas nucleares.

Teerã diz que seu objetivo é apenas gerar eletricidade para fins pacíficos, e que a usina só irá produzir urânio pouco enriquecido, compatível para o uso civil.

A República Islâmica alega que não precisaria ter revelado anteriormente a existência da nova usina, e que a instalação será aberta a inspeções da AIEA, a exemplo do que já acontece com a fábrica de urânio enriquecido de Natanz.

Encontro em Genebra

Autoridades iranianas se reúnem hoje com representantes de seis potências mundiais em Genebra, na Suíça. Um dos negociadores do Irã, Saeed Jalili, afirmou que seu país chega para o encontro com boas intenções e que a reunião é uma oportunidade e um teste para o Ocidente. O Irã já havia dito que não aceitará discutir seu programa nuclear.