Insulza convida ex-presidente chileno para mediar crise em Honduras

Agência ANSA

SANTIAGO - O chanceler chileno, Mariano Fernández, confirmou hoje que o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, entrou em contato com o ex-presidente do país Ricardo Lagos para convidá-lo a compor uma "comissão de notáveis" que poderia interceder na crise política hondurenha.

- Muitos nomes foram cogitados, principalmente de ex-chefes de Estado. Em primeiro lugar, circulou de forma unânime o nome de Lagos - revelou Fernández. Ele afirmou, porém, que ainda não sabe de detalhes das conversas.

Segundo o ministro, o ex-presidente, que governou o Chile entre 2000 e 2006 e é atualmente o encarregado especial da ONU para assuntos climáticos, "manifestou sua disponibilidade" para integrar o grupo de mediação.

Até o momento, quem conduz o diálogo entre o presidente de Honduras, Manuel Zelaya -- deposto em 28 de junho -, e o regime de facto é o mandatário costa-riquenho, Oscar Arias.

Na última quarta-feira, Arias apresentou às duas partes o chamado Acordo de San José, proposta que inclui, entre outros pontos, a formação de um governo de união encabeçado por Zelaya.

O pacto está sob análise do atual governo hondurenho. Já Zelaya segue na Nicarágua, próximo da fronteira com seu país, e na semana passada deu o diálogo por encerrado.

- Agora temos de esperar até que se abra caminho para a mediação nos termos definidos pelo texto do presidente Arias - disse Fernández.

O chanceler indicou que, além de Lagos, Insulza cogita ainda para a "comissão de notáveis" o ex-presidente uruguaio Julio María Sanguinetti e o ex-secretário-geral da ONU Javier Pérez de Cuellar, que é peruano.