ONU exige investigação

Agência AFP

GENEBRA, SUÍÇA - A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, exigiu nesta quinta-feira das autoridades russas a realização de uma investigação "transparente e independente" sobre o assassinato da ativista pró-direitos humanos Natalya Estemirova.

Pillay parabenizou a decisão do presidente russo, Dimitri Medvedev, de ter ordenado investigação sobre o assassinato.

Estemirova, de 50 anos, foi sequestrada ao sair de casa, na região russa da Chechenia, na quarta-feira. Seu corpo foi encontrado pouco depois na Inguchétia, com ferimentos a bala no peito e na cabeça.

Na Alemanha, ao lado da chanceler Angela Merkel, o presidente russo Dmitri Medvedev prestou homenagem inédita hoje à militante russa e afirmou que sua morte não ficará "impune".

-Estou certo de que os assassinos serão capturados e devem ser punidos de acordo com a lei - acrescentou o presidente russo em Munique - É evidente que seu assassinato está relacionado à suas atividades profissionais.

Medvedev considerou, no entanto, "primitivas" e "inaceitáveis" as acusações contra Ramzan Kadyrov, homem forte da Chechênia apoiado pelo Kremlin, a quem a ONG de Natalia Estemirova, Memorial, acusou diretamente.

A chanceler alemã também insisitiu sobre a necessidade de uma investigação.