Em reunião de não-alinhados, Cuba defende causa palestina

Agência ANSA

SHARM EL-SHEIKH - O presidente de Cuba, Raúl Castro, disse hoje que o apoio à "justa causa" do povo palestino é uma prioridade do Movimento dos Países Não-Alinhados (MNOAL), que se reúne em Sharm el-Sheikh, no Egito.

Ao discursar durante a 15ª Conferência do MNOAL, ele assegurou que o movimento "sustentará os esforços do povo palestino enquanto seus direitos não forem reafirmados" e incentivará o diálogo para buscar a paz em todo o Oriente Médio.

Raúl, que após três anos entregará a presidência temporária do bloco ao mandatário egípcio, Hosni Mubarak, pediu ainda "uma solução para a crise econômica que tenha a colaboração de todos os países do mundo".

Ao se referir à posição MNOAL sobre o assunto, ele enfatizou que "o movimento confirmou sua convicção de que todos os países do mundo devem tomar parte na busca de soluções efetivas e justas à atual crise".

Mubarak, por sua vez, defendeu a existência de uma ordem mundial política, econômica e comercial "mais justa e equilibrada", com uma "representação adequada" dos países em desenvolvimento nos organismos internacionais e financeiros.

Já o líder líbio, Muammar Kadafi, argumentou em favor de um assento para a África no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

- O atual desenho da ONU sofre com o desequilíbrio de forças, porque todo o Sul do mundo não está representado, incluindo o sul da Ásia, da África e da América Latina" - disse ele, ressaltando que "os não-alinhados representam o mundo", já que correspondem a 115 dos cerca de 180 países das Nações Unidas.

Para Kadafi, um lugar permanente no Conselho de Segurança "é um direito da África, pelos sacrifícios de seus povos na grande luta contra o colonialismo".