Em visita à Itália, presidente da China ignora mortes

Jornal do Brasil

ROMA - O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, lembrou nesta segunda-feira ao presidente da China, Hu Jintao, que o desenvolvimento econômico impõe novas exigências no campo dos direitos humanos. O discurso veio horas depois dos confrontos entre a polícia e manifestantes da minoria étnica uigur no oeste da China deixar ao menos 156 mortos e 828 feridos na província de Xinjiang, de maioria muçulmana. No entanto, o líder chinês não fez nenhuma declaração sobre os distúrbios que começaram no domingo.

Ignorando as exigências feitas pelo seu homólogo italiano, Hu Jintao afirmou que a reunião com Napolitano se desenvolveu em um ambiente amigável, sincero e profundo .

Segundo o líder, a amizade entre os povos chinês e italiano têm raízes antigas e se baseia na igualdade, no respeito mútuo e na confiança recíproca .

Em sua primeira visita oficial à Itália a primeira em 10 anos de um líder chinês Hu foi recebido com honras militares. E mesmo ao exigir que a China respeite os direitos humanos, Napolitano frisou que a Itália vê esta questão com o máximo respeito à integridade e autonomia da China, e suas instituições representativas .

O presidente italiano informou que Hu convidou-o a visitar a China no ano que vem, para celebrar os 40 anos das relações diplomáticas entre os dois países.

O chefe de Estado da China

foi à reunião com Napolitano acompanhado da mulher, Liu Yongqing, que foi recebida

pela primeira-dama da Itália, Clio Napolitano.

Depois da visita oficial, que termina nesta terça-feira, Hu assistirá à cúpula do G-8 (grupo formando pelos

sete países mais desenvolvidos e a Rússia) em Áquila, na qual a China participará junto com outras economias emergentes, como Brasil, Índia e México.

Hu viajou à Itália acompanhado de 300 empresários chineses, para buscar laços de cooperação em campos como comércio, economia, turismo, cultura e proteção ao meio ambiente.

Após chegar a Roma nesta segunda-feira, cercado por um amplo cordão policial, o presidente da China visitou o Coliseu, onde permaneceu durante mais de meia hora.

Berlusconi

Em seguida, reuniu-se com o primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi em encontro definido pelo mandatário chinês como franco e amigável .

Berlusconi também seguiu

a mesma linha de Hu e elogiou o líder chinês:

Com o presidente Hu Jintao há uma relação franca e cordial, conversamos sobre todos os temas internacionais e tivemos a oportunidade, nas diversas visitas que tivemos, de aprofundar todos os temas de interesse recíproco garantiu o premier.