OEA analisa crise em Honduras em reunião extraordinária

Agência Brasil

BRASÍLIA - A Organização dos Estados Americanos (OEA) está reunida hoje (28) em caráter emergencial em Washington para analisar a crise em Honduras, instalada com o sequestro do presidente Manuel Zelaya, retirado da residência oficial à força por militares e levado para a Costa Rica.

Em nota, a OEA informou que irá constituir uma comissão especial para visitar Honduras para fazer uma análise dos acontecimentos e contribuir para um diálogo nacional amplo, a fim de encontrar soluções democráticas para a situação existente .

Zelaya foi sequestrado horas antes de Honduras iniciar uma consulta pública para reformar a Constituição, o que daria ao presidente a possibilidade de reeleição. A consulta foi considerada ilegal pelo Parlamento e pela Suprema Corte do país.

A União Européia condenou o que considera um golpe militar contra Zelaya, pediu a imediata restituição da ordem constitucional, de acordo com a agência portuguesa Lusa.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, acusou o império estadunidense de estar por trás do movimento militar que deteve o presidente hondurenho, segundo informações da agência argentina Telam.

De acordo com a televisão multi-estatal Telesur, a ministra de Relações Exteriores hondurenha, Patricia Rodas, e os embaixadores da Venezuela, Nicarágua e Cuba no país também foram detidos hoje pelos militares.