Alba envia mensagem de apoio a presidente hondurenho

Agência ANSA

CARACAS - Os países-membros da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) manifestaram hoje seu apoio ao presidente de Honduras, Manuel Zelaya, que enfrenta uma crise política no país, e anunciaram que se mobilizarão caso haja tentativa de golpe de Estado.

Os países do bloco expressaram, em uma mensagem oficial, seu "mais firme respaldo" ao governo de Zelaya "em suas justas e decididas ações para defender o direito do povo hondurenho a expressar sua vontade soberana e a incentivar um processo de transformação social".

Além de Honduras, a Alba é composta por Cuba, Bolívia, Dominica, Nicarágua, Venezuela, Equador, Antígua e Barbuda e São Vicente e Granadinas.

O mandatário de Honduras fará uma consulta popular no próximo domingo para saber se a população concorda com a realização de um referendo em novembro para convocar uma Assembleia Constituinte que elabore uma nova Carta Magna.

Com apoio de líderes sindicais, camponeses, estudantis, indígenas e de parte dos juízes do país, Zelaya diz que pretende, com a reforma constitucional, substituir o modelo democrático representativo vigente por uma democracia participativa. A oposição, contudo, contesta a intenção do presidente, alegando que ele busca uma maneira de permanecer no poder após o fim de seu mandato, em janeiro de 2010.

A crise foi deflagrada após o Congresso Nacional ter aprovado uma lei que regulariza a realização de referendos, o que inevitavelmente anula a consulta popular de domingo e o possível referendo de novembro.

Nos últimos dias, rumores de que os militares hondurenhos estariam planejando um golpe de Estado contra Zelaya foram noticiados por meios de comunicação do país, o que fez com que o mandatário destituísse o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, Romeo Vasquez.

Os governos da Alba "ao saberem das sérias denúncias de desestabilização e tentativa de golpe de Estado, formuladas pelo presidente legítimo da República de Honduras, declaram que se mobilizarão, junto ao digno povo hondurenho, diante de qualquer tentativa da oligarquia de romper a ordem constitucional e democrática".

Ontem, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, denunciou a tentativa de golpe e disse que não ficará "de braços cruzados" diante da situação em Honduras.

Zelaya também recebeu o apoio do ex-presidente cubano Fidel Castro, que comparou o mandatário hondurenho ao ex-líder chileno Salvado Allende, que morreu em 1973, durante o golpe de Estado que colocou Augusto Pinochet no poder.