Jolie pede que mundo não encare refugiados como fardo

Portal Terra

WASHINGTON - A atriz e embaixadora da Boa Vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Angelina Jolie, participou nesta quinta-feira de um evento em Washington que marca o início das atividades referentes ao Dia Mundial dos Refugiados, no próximo sábado. Ao lado de António Guterres, Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, Angelina apelou ao mundo para que não encare os milhões de refugiados como um fardo, mas como presentes em potencial.

Angelina explicou que, como uma americana, sabe da diversidade de seu país, construído com o auxílio de imigrantes, e destacou a necessidade de convencer o mundo de que os refugiados não devem ser encarados como um fardo.

- Eles são sobreviventes. Podem colocar suas qualidades a serviço das comunidades e países que os abrigarem - disse.

Guterres falou sobre as crescentes dificuldades e perigos enfrentados pelos mais de 42 milhões de refugiados no mundo. O alto comissário explicou também os desafios dos representantes da Acnur em regiões de conflito. Dois integrantes da organização foram mortos no Paquistão nos últimos cinco meses.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, participaria do encontro, mas cancelou a presença depois de fraturar o cotovelo em uma queda, a caminho da Casa Branca.

Angelina e o marido, o também ator Brad Pitt, doaram US$ 1 milhão a Acnur para que sejam destinados aos acampamentos de deslocados no Paquistão. A atriz colabora há oito anos com a Acnur, organização do sistema das Nações Unidas da qual é embaixadora da boa vontade desde 2001, e por esse motivo viajou em diversas ocasiões a regiões em conflito como o Iraque, Paquistão, Afeganistão e Índia. Em 2007, o casal doou à Acnur US$ 1 milhão para as vítimas do conflito da região sudanesa de Darfur, e em várias ocasiões entregaram doações a projetos humanitários.

Com agências internacionais