Irã tem dia de luto por vítimas de protestos contra Ahmadinejad

Agência AFP

TEERÃ - Manifestações de luto estão programadas para esta quinta-feira no Irã pelos mortos nos protestos contra a reeleição do presidente Mahmud Ahmadinejad, convocadas pelo candidato derrotado na eleição de sexta-feira passada, Mir Hossein Mussavi.

Mussavi convocou um dia de luto pelos sete civis mortos na segunda-feira nos confrontos entre manifestantes e milicianos islamitas. Ele pediu aos iranianos que se reúnam nas mesquitas ou em passeatas silenciosas vestidos de negro.

Uma primera concentração deve acontecer diante do prédio da ONU em Teerã e uma segunda na praça do Imã, zona sul da capital.

O jornal reformista Etemad Meli dedica a primeira página ao 'movimento silencioso em Teerã', com três fotografias da manifestação proibida, mas que teve grande resposta da população, realizada na quarta-feira em Teerã. Dezenas de milhares de pessoas participaram do protesto na quarta-feira, com braçadeiras e fitas verdes - a cor da campanha de Mussavi -, além de cartazes com acusações de que Ahmadinejad roubou seus votos.

O aiatolá Ali Khamenei, guia supremo do país, a principal autoridade da República Islâmica, se declarou disposto a considerar uma revisão parcial dos votos, diante das denúncias dos candidatos opositores de que a contundente vitória de Ahmadinejad (com 63% dos votos) foi fraudada.

Mussavi reiterou na quarta-feira o pedido de anulação do que chamou de "fraude vergonhosa" e a convocação de novas eleições. O poder islâmico, que enfrenta a crise política mais aguda desde a revolução que instaurou o regime em 1979, realizou nos últimos dias detenções de líderes reformistas, adotou medidas drásticas para impedir o trabalho da imprensa, nacional e estrangeira, e denunciou "interferências" por parte dos inimigos do Irã, incluindo os Estados Unidos.