Chile: Eduardo Frei oficializa candidatura às presidenciais

Agência ANSA

SANTIAGO - O ex-presidente Eduardo Frei, senador do Partido Democrata-Cristão (PDC), oficializou ontem sua candidatura às eleições presidenciais de dezembro, pela coalizão governista, Concertación.

Cerca de 6 mil pessoas compareceram ao teatro Caupolicán de Santiago, capital chilena, para assistir ao lançamento oficial da campanha, entre elas os ex-presidentes Patrício Aylwin (1990-1994) e Ricardo Lagos (2000-2006), além de 10 dos 22 ministros do atual governo, de Michelle Bachelet - o que foi criticado pela oposição.

Durante seu discurso de 30 minutos, Frei, que governou o país de 1994 a 2000,elogiou a atual gestão de Bachelet e prometeu que irá manter a linha traçada por seu governo. Ele disse ainda que se eleito, irá promover uma reforma na Constituição vigente, herdada da ditadura, e fortalecerá o Estado "para colocar um freio em tantos abusos".

- Prometo terminar com toda forma de exclusão e discutir sem censura todos os temas que afetam a sociedade chilena - acrescentou o candidato.

A coalizão Concertación de Partidos por la Democracia está no poder desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet e tentará seu quinto mandato consecutivo e, neste pleito, enfrentará o avanço da oposição.

Segundo pesquisas divulgadas nas últimas semanas, o candidato opositor de direita, o empresário Sebastián Piñera, receberia 34% dos votos, enquanto Frei 24%. Em terceiro lugar aparece o deputado Marco Enríquez-Ominami, com 22,8%.

Numa eventual disputa no segundo turno, Piñera sairia vitorioso com 43% das preferências, à frente de Frei, com 39% dos votos.