Lula defende em Astana mundo mais justo para países pobres

Agência AFP

ASTANA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta quarta-feira a criação de um mundo mais justo para os países em desenvolvimento, depois de se reunir em Astana com seu colega do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev.

Lula afirmou que a crise financeira mundial eliminou as diferenças entre as nações, e deu a oportunidade de definir uma nova ordem internacional. - Antes da crise, muitos países tinham mais peso que outros e algumas nações eram até irrelevantes, mas agora todos estão no mesmo nível. Temos a possibilidade de criar uma nova ordem mundial - declarou o dirigente.

Lula chegou nesta quarta-feira ao Cazaquistão procedente de Ekaterinburgo, na Rússia, onde assistiu à primeira cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China).

O presidente cazaque, líder da maior economia da Ásia Central e que quer desempenhar um papel mais importante nos assuntos mundiais, disse em comunicado publicado depois do encontro com Lula que o Conselho de Segurança da ONU deveria se abrir para as nações em desenvolvimento.

Tanto Lula quanto Nazarbayev expressaram o desejo de que o Conselho, que conta com cinco membros permanentes (EUA, França, China, Rússia e Grã-Bretanha), seja uma instituição mais aberta, para ganhar "eficiência e legitimidade".