Tensão na Ásia: fim da paz com trégua suspensa

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - A tensão a respeito de um possível conflito armado na Ásia aumentou quarta-feira depois que a Coreia do Norte ameaçou iniciar um poderoso ataque militar à vizinha Coreia do Sul, caso o país decida vistoriar navios norte-coreanos suspeitos de transportar armas de destruição em massa. Mesmo sob pressão internacional, a Coreia do Norte decidiu romper o armistício que, em 1953, pôs fim à Guerra da Coreia. A nova escalada de ameaças e tensões começou com o segundo teste nuclear norte-coreano realizado no início da semana. Estados Unidos e Moscou se manifestaram quarta-feira contra as atitudes do governo de Pyongyang. Washington reiterou o compromisso com o Japão e a Coreia do Sul. Moscou disse que o teste nuclear não é do interesse de nenhum país da região , chamando Pyongyang a adotar uma posição responsável .

Ignorando possíveis represálias e riscos de mais sanções da comunidade internacional, a Coreia do Norte reativou quarta-feira sua planta nuclear e lançou, pelo terceiro dia consecutivo, um míssil de curto alcance em sua costa leste.

Ameaça

O governo comunista ameaçou atacar caso a Coreia do Sul se junte à iniciativa liderada pelos EUA contra a proliferação de armas nucleares Iniciativa de Segurança contra a Proliferação, criada durante o governo Bush.

Qualquer ação hostil contra nossos navios pacíficos, inclusive com busca e confisco (de material) será considerada uma violação imperdoável da nossa soberania e vamos responder imediatamente com um poderoso ataque militar , disse um porta-voz do Exército norte-coreano à agência KCNA.

Washington pressiona por uma resposta rápida e unificada da comunidade internacional que deixe claro à Coreia do Norte que suas ações trarão consequências. A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, alertou que Pyongyang enfrentará consequências porque faz ameaças provocativas e beligerantes .

A Coreia do Norte fez uma escolha ao violar as resoluções do Conselho de Segurança alertou Hillary ao sublinhar que os EUA estão prontos para defender a Coreia do Sul em caso de conflito. Para a Casa Branca, Pyongyang está aprofundando seu isolamento com ameaças mundiais e, acima de tudo, busca chamar atenção .

Moscou pediu a Pyongyang que retome as negociações para encontrar uma solução para a crise nuclear. Citando fontes oficiais, agências de notícias russas disseram que o país está tomando medidas de precaução por temer que as tensões resultem em uma verdadeira guerra. O governo russo também conclamou Pyongyang a não permitir que o regime de não proliferação nuclear seja minado , e a respeitar as resoluções do Conselho de Segurança . Durante reunião entre o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Alexei Borodavkin, e o embaixador norte-coreano Kim Yong Jae, Moscou criticou o teste nuclear feito por Pyongyang e pediu medidas imediatas para diminuir a tensão .