Fidel diz que México escondeu gripe para não assustar Obama

REUTERS

HAVANA - O ex-presidente cubano Fidel Castro acusou o México de não alertar a tempo sobre a epidemia da gripe H1N1 para não frustrar uma visita ao país do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em abril.

Fidel, afastado do poder desde que ficou doente há quase três anos, disse em uma coluna publicada na noite de segunda-feira na internet que agora países como Cuba, que confirmou seu primeiro caso do vírus H1N1 em um estudante mexicano, estão sofrendo as consequências.

Cuba suspendeu há duas semanas os voos para o México, irritando autoridades mexicanas. O presidente Felipe Calderón disse que poderia cancelar uma visita à ilha programada para este ano.

- As autoridades mexicanas não informaram ao mundo a presença da gripe, esperando a visita de Obama. Agora ameaçam suspender a (visita) do presidente Calderón - escreveu Fidel, de 82 anos, na página oficial do governo cubadebate.cu.

- Neste momento, nós e dezenas de outros países pagamos o preço e ainda nos acusam de medidas lesivas ao México - acrescentou.

A visita de Calderón a Cuba é amplamente considerada um sinal de que os dois vizinhos superaram as rusgas diplomáticas que quase provocaram um rompimento das relações sob o governo do mexicano Vicente Fox.