Dois congressistas colombianos presos por vínculos com paramilitares

Agência ANSA

BOGOTÁ - As autoridades da Colômbia prenderam hoje mais dois políticos do país acusados de terem ligações com militantes de organizações paramilitares de direita.

São eles a senadora Zulema Jattin, do Partido de La U, que integra a base parlamentar de apoio do presidente Álvaro Uribe, e o deputado Jairo Alberto Llano, do Partido Liberal, de oposição.

O vice-presidente da Sala Penal da Suprema Corte de Justiça da Colômbia, José Leónidas Bustos, confirmou que ambos são acusados de fazer "parapolítica", termo usado para se referir aos nexos entre políticos e paramilitares.

A denúncia contra Jattin se baseia em depoimentos de Salvatore Mancuso, ex-comandante das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), uma das principais organizações paramilitares do país.

De acordo com ele, a parlamentar recebeu apoio de seu grupo para as eleições de 2002, quando foi eleita deputada. Ela chegou a presidir a casa e é apontada como uma das figuras políticas mais próximas de Uribe.

Reforçam as suspeitas o fato de, em 2006, ela haver tentado incluir o nome de um ex-paramilitar na lista de seu partido nas eleições para a Câmara dos Deputados.

Em depoimento dado hoje, ela negou qualquer envolvimento com grupos armados e afirmou que a Justiça nunca encontrou evidências que possam vinculá-la a paramilitares.

- Hoje fui sequestrada por ordem do que neste país se chama de Corte Suprema de Justiça, que nada mais é que uma sala dedicada a perseguir os que defendem o presidente [Álvaro Uribe] - disse.

O deputado Llano, por sua vez, é investigado por supostas ligações com rebeldes do departamento (estado) de Caldas, zona cafeeira no centro do país.

Até hoje, mais de 70 parlamentares colombianos, a maior parte ligada ao presidente Uribe, foram investigados pela Justiça por vínculos com paramilitares.