Papa: cristãos pedem paz e união na Jordânia

Marsílea Gombata *, Jornal do Brasil

AMÃ - Em seu último dia na Jordânia, Bento XVI foi recebido por cerca de 15 mil pessoas sendo em sua maioria cristãos que se reuniram para assistir a Santa Missa rezada pelo pontífice no Estádio Internacional da capital Amã.

Duas horas antes da chegada do papamóvel, cristãos jordanianos e missionários internacionais aguardaram o líder do Vaticano com canções em italiano e palavras de ordem em árabe. Prontos para a primeira comunhão, crianças iraquianas e jordanianas esperavam com entusiasmo a chegada do líder supremo do Catolicismo. Como a pequena Katreen Namat, 8 anos, que viu pela primeira vez, domingo, um papa. Ao lado da amiga iraquiana Cecília Adam, 11 anos, as duas enfrentaram o vento frio e um burocrático esquema de segurança para poder se aproximar de Bento XVI.

Se eu pudesse falar com o papa, pediria para que a situação no Iraque melhorasse contou Cecília. O Iraque não é seguro para nós, seja por causa da guerra ou da religião.

Sob sentimento semelhante, Katreen revelou:

Pediria para estar a salvo.

Apesar da maioria cristã, muçulmanos tambem estiveram presentes. Nenhum dos abordados, no entanto, mostrou-se confortável em dar entrevista.

Melhor não pediu.

De origem palestina, a vendedora de cosméticos Rita Srouji estava na missa em busca de paz e esperava do papa passos em prol da união entre muçulmanos e cristãos.

Dele, gostaria uma campanha em todo o mundo, especialmente na Palestina [na Jordânia, é muito comum se dizer Palestina em vez de territórios palestinos] diz. Eu e os parentes que tenho aqui e na Cisjordânia estamos entristecidos com o novo governo israelense. Queremos ver mudança. Todos querem.

Em discurso ao público e autoridades jordanianas, como o príncipe Ghazi Bin Mohammed primo e principal conselheiro religioso do rei Abdullah II Bento XVI declarou que a comunidade católica esta profundamente tocada com as dificuldades e incertezas que afetam todo o povo do Oriente Médio . Depois do discurso, foi acompanhado por uma orquestra com tons árabes para rezar a missa em latim e inglês, que terminou por volta das 12h.

À tarde, seguiu para o Rio Jordão, local de batismo de Jesus por João Batista, onde abençoou as bases das igrejas melquita (em construção) e romana no local.

Segunda-feira parte de Amã para Israel e territórios palestinos.

* Viajou a convite do Jordan Board Tourism, do Ministério do Turismo da Jordânia