Karzai exige fim de bombardeios dos EUA no Afeganistão, diz CNN

Paul Eckert, REUTERS

WASHINGTON - O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, pediu nesta sexta-feira o fim dos bombardeios norte- americanos no seu país, depois de ataques nesta semana que, segundo autoridades locais, mataram 147 pessoas.

- Exigimos um fim a essas operações (...), um fim aos bombardeios aéreos - disse Karzai à CNN em Washington.

O vice-governador da província de Farah, Yunus Rasooli, disse nesta sexta-feira à Reuters, que moradores de duas aldeias bombardeadas nesta semana apresentaram listas com os nomes das 147 pessoas mortas.

A questão das vítimas civis é uma fonte de grande atrito entre o governo afegão e seus apoiadores norte-americanos. Os bombardeios acabaram ofuscando a reunião desta semana entre os presidentes Karzai e Barack Obama em Washington.

Karzai disse à CNN que há sete anos, no começo da guerra que depôs o regime islâmico do Taliban, os afegãos toleravam os bombardeios, mas que o crescente número de vítimas civis solapou tal compreensão.

- Não podemos justificar de qualquer maneira, por qualquer número de talibans ou qualquer número de terroristas significativamente importantes, a perda de civis, acidentalmente ou como for - disse ele.

Karzai afirmou que, no encontro de quarta-feira na Casa Branca, Obama manifestou 'pesares e desculpas' pelas mortes na província de Farah.

A violência neste ano atingiu seu maior nível desde a deposição do Taliban, em dezembro de 2001, apesar da crescente presença militar estrangeira. Os Estados Unidos pretendem mais do que dobrar o seu contingente no Afeganistão neste ano, elevando-o a um total e 68 mil soldados.

As autoridades ainda estão investigando o incidente nas duas aldeias e tentando confirmar os nomes das vítimas, segundo Rasooli. Se o número de vítimas civis for confirmado, esse teria sido o incidente mais letal envolvendo não-combatentes desde o início da ocupação norte-americana, em 2001.