Com lei aprovada, Chávez inicia expropriações em setor petrolífero

Agência ANSA

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, deu início hoje às expropriações de empresas que prestam serviço em atividades petrolíferas depois que o Legislativo aprovou uma lei que amplia a estatização das atividades do setor, motor econômico do país.

Chávez acompanhou pessoalmente um confisco de 300 embarcações que operam no Lago de Maracaibo, no departamento (estado) de Zulia, oeste do país.

A região, importante pólo petrolífero, é apontada como reduto da oposição - o político Manuel Rosales, acusado de corrupção e asilado no Peru, já governou o departamento e é o atual prefeito de sua capital, Maracaibo.

Dirigindo-se a operários que estavam no local, o presidente afirmou que a iniciativa permitia a ele "libertá-los da exploração capitalista". Com a nova lei, cerca de 8.000 trabalhadores que antes eram contratados de empresas privadas serão absorvidos pela estatal PDVSA.

Segundo o mandatário, com as mudanças introduzidas, o que para ele constituem "um ato de justiça", o governo assumirá o controle de atividades estratégicas para a indústria nacional. Além disso, enfatizou, será gerada uma economia de US$ 700 milhões para os cofres públicos.

- Este dinheiro deve ficar aqui e ser convertido em projetos de desenvolvimento para os bairros mais pobres. Quero que esses recursos sejam administrados pela classe trabalhadora - disse. - Estamos libertando a pátria, construindo o socialismo com os trabalhadores.

Ao todo, as estatizações afetarão 60 empresas. Uma das mais atingidas é a britânica Wood Group, dona de 49,5% do consórcio Serviços de Engenharia, Manutenção, Construção e Operações (Simco), que faz procedimentos de tratamento e injeção de água nas jazidas do Lago de Maracaibo.

A companhia trabalhava com base em um contrato de US$ 800 milhões e extensão de 16 anos.

A lei que permite as expropriações foi aprovada ontem pelo Congresso do país, onde a bancada de apoio a Chávez é majoritária. À noite, o presidente sancionou a medida.