Shimon Peres divulga mensagem de boas-vindas ao papa Bento XVI

Agência ANSA

JERUSALÉM - O presidente de Israel, Shimon Peres, irá declarar ao papa Bento XVI que Jerusalém o recebe de "braços abertos" em seu discurso de recepção ao Pontífice, que será pronunciado no próximo dia 11, segundo informou a imprensa italiana.

Bento XVI, que chegará ao Oriente Médio nesta sexta-feira, iniciará sua visita a Israel no próximo dia 11, segunda-feira. Antes, ele passará pela Jordânia e, depois, pelos territórios palestinos.

Antecipada pela revista italiana Famiglia Cristiana, a mensagem de Peres incentivará o diálogo interreligioso, ressaltando a importância da paz e da igualdade.

"Será um privilégio acolhê-lo nas portas da cidade santa de Jerusalém e saudá-lo com uma palavra que está entre as mais comuns na língua hebraica e que exprime o mais profundo desejo do nosso povo: shalom, que significa paz", diz o texto.

Segundo Peres, que reunirá dirigentes políticos e religiosos em uma cerimônia dedicada ao papa, "chegou a hora de construir pontes de compreensão, respeito recíproco e reconciliação para superar as velhas divisões e permitir que a luz da paz prevaleça no diálogo entre as nações, e que o diálogo interreligioso crie sempre raízes mais fortes".

"Trata-se de um propósito nobre e é nosso dever investir na formação das jovens gerações e das gerações futuras, para ensinar a eles que todos os homens têm direitos iguais, e que a igualdade de direitos abrange também o direito de ser diferente", afirmou o presidente, relembrando que a comunidade israelense ainda não encontrou "um porto seguro" mesmo após 65 anos da perseguição nazista.

"Os apelos de destruição ao nosso povo ainda nos ameaçam, mas, apesar disto e das guerras, sempre procuramos a paz e não renunciamos à esperança de ver o dia em que nosso sonho se realizará", reitera o texto.

"O antissemitismo, o negacionismo (que rejeita a existência do Holocausto) e a política do terror ameaçam ainda o povo judeu", expôs o mandatário, afirmando, no entanto, que a população não deve deixar de esperar pela paz, "um objetivo que ganhará um suplemento de esperança" devido à iminente visita do Papa a Israel.

Durante sua estadia na região, Bento XVI visitará o Memorial Yad Vashem, dedicado ao Holocausto, e renderá uma homenagem às vítimas do massacre nazista contra judeus.