Casos de nova gripe passam de mil no mundo e México anuncia 26ª morte

REUTERS

GENEBRA - O número de casos confirmados da gripe H1N1 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) chegou a 1.003 em 20 países, disse nesta segunda-feira a chefe da OMS, Margaret Chan.

Em declaração à Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) por videolink de Genebra, Chan afirmou que 'não há indicação de que estamos enfrentando uma situação similar à de 1918', quando uma pandemia de gripe matou milhões de pessoas.

Margaret Chan disse ainda que a Organização Mundial da Saúde deve elevar seu alerta de pandemia para o nível máximo em uma escala de 1 a 6 e declarar uma epidemia mundial de gripe.

A chefe da OMS também alertou contra a confiança excessiva após a estabilização do número de novos casos da gripe H1N1, que deixou mortos no México e se espalhou para vários países. - O nível 6 não significa, de forma alguma, que estamos enfrentando o fim do mundo. É importante deixar isso claro porque, se não, quando anunciarmos o nível 6 isso causará um pânico desnecessário -disse Chan.

- Os vírus da gripe são muito imprevisíveis, muito enganosos... Não devemos ficar confiantes demais. Não podemos dar oportunidade para o H1N1 se misturar com outros vírus. É por isso que estamos em alerta - afirmou. As fases de pandemia da OMS refletem como um vírus está se disseminando, e não quão severos são os seus efeitos.

Na semana passada, a agência da Organização das Nações Unidas elevou o nível de alerta duas vezes, da fase 3 para fase 5, em resposta à transmissão significativa do H1N1 no México e nos Estados Unidos. Antes de declarar o alerta nível 6, a OMS precisa constatar que o vírus está se disseminando dentro de comunidades na Europa e na Ásia.

O alerta máximo de pandemia obrigaria os governos de todo o mundo a instituírem seus planos de resposta a uma epidemia global, o que pode incluir medidas em hospitais, escolas e eventos públicos.

O nível 6 também solicita um apoio maior aos países em desenvolvimento que têm falta de medicamentos, exames, e profissionais de saúde para responder de forma apropriada à gripe, que segundo a OMS pode ser especialmente grave para portadores do vírus HIV.

Já o governo mexicano anunciou nesta segunda-feira que o número de mortos em consequência da doença subiu para 26. O número total de casos também aumentou para 701. Apesar disso, o secretário de Saúde mexicano, José Ángel Córdova, disse que está otimista diante da tendência de queda do número de casos da doença.