Epidemia de gripe suína irá 'durar muito tempo', alerta ex-ministro

Agência ANSA

CIDADE DO MÉXICO - O ex-ministro da Saúde do México Juan Ramón de la Fuente aconselhou ao presidente Felipe Calderón que tome "medidas fortes" contra a epidemia da gripe suína que, segundo ele, irá "durar muito mais tempo".

Esta "epidemia seguramente vai durar muito mais tempo", afirmou o ex-ministro em declarações ao jornal La Jornada, explicando que após a primeira fase, "virá uma segunda, e é preciso estar preparados", pois, "este é um processo que irá se prolongar".

Até o momento, foram confirmadas no México oito mortes em consequência do vírus H1N1, transmissor da doença. O número de casos diagnosticado subiu de 49 para 99, segundo a última atualização.

Convocado por Calderón para uma reunião junto aos ex-ministros Jesús Kumate e Guillermo Soberón, De la Fuente orientou o presidente a "tomar medidas drásticas para evitar a proliferação da doença".

Para o ex-ministro, o governo agiu de forma adequada com as medidas de contenção, que incluiu, entre outros, as proibições a restaurantes de oferecerem refeições dentro de seus estabelecimentos e de realizações de eventos em locais de grande concentração de pessoas.

"Diante da magnitude do problema, todas as precauções são oportunas e bem-vindas, acredito que foi uma decisão acertada", afirmou De la Fuente, que sugeriu que o governo informe a população de forma clara e transparente sobre a doença e sobre como conseguir antivirais, e apoie as equipes médicas, que "atuam na linha de frente do problema" e correm riscos de contágio.

Questionado pela imprensa sobre porque no México foi registrado um número maior de mortes do que em outros países que apresentaram casos da doença, o ex-ministro explicou que seu país não conta com todas as tecnologias para realizar o diagnóstico. "Nos faz falta a informação", afirmou.

"Temos que saber urgentemente com precisão a causa da morte das vítimas", disse De la Fuente se referindo às 159 vítimas fatais que poderiam ter sido infetadas pelo vírus. "Precisamos saber quantos nesta lista morreram por pneumonia, por outro vírus, por câncer ou outra coisa".

Calderón, por sua parte, pediu aos mexicanos que não saiam de suas casas entre os dias 1 e 5 de maio. Em um comunicado transmitido pela TV, o presidente mexicano afirmou também que todas as atividades públicas estarão suspensas neste período.

O pedido foi feito horas depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter elevado o nível de alerta referente ao surto de gripe suína de quatro para cinco, um abaixo do estágio máximo da escala.

Com o México, onde surgiu o primeiro caso de contágio, são 14 os países que confirmaram pacientes com a doença até o momento. Na América do Sul, o primeiro caso foi confirmado ontem no Peru