Evitar tocar o rosto é comum aqui, diz brasileira no México

Portal Terra

CIDADE DO MÉXICO - A brasileira Denise Alves, que mora na capital do México, contou ao Terra a rotina das pessoas que convivem com o alerta da doença.

- Evitar tocar o rosto é o que mais pedem aqui. Quando voce está no õnibus, na rua, recomendam evitar tocar corrimões e tocar o rosto depois - diz ela.

Segundo Denise, a maioria dos brasileiros que vivem no México está expatriada.

- Então as empresas recomendaram que voltassem ao Brasil.

A brasileira, que é do Nordeste, vê semelhanças entre o clima de insegurança provocado pela gripe suína e a dengue no Brasil, há alguns anos.

- Sou do Nordeste, então me lembro que, na época da dengue no Brasil, também foi uma incógnita.

Panorama

Denise tem 24 anos, está no México desde 2005 e assiste de perto o medo da gripe suína. Ela trabalha em uma escola que dá aulas de português para mexicanos.

Segundo a brasileira, a Cidade do México tem fluxo de carros e pessoas pelas ruas bem menor do que o comum nestes dias. Nos supermercados, as filas estão maiores. Prateleiras vazias assustam a população, que não sabe se os produtos já estão em falta ou se serão repostos, já que o governo nega que falte alimento.

Máscaras para proteger os moradores da doença estão em falta. Restam somente aquelas distribuídas por agentes do governo.