Chávez investe contra fábricas de papel higiênico

Agência AFP

CARACAS - O governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, abriu uma investigação contra duas produtoras de papel higiênico, incluindo a filial da americana Kimberly-Clark, por violação do tabelamento de produtos básicos, informou nesta segunda-feira o ministério do Comércio.

Segundo o governo, inspeções do instituto de defesa do consumidor Indepabis detectaram que as empresas Kimberly-Clark e Manufacturas de Papel (Manpa) praticaram irregularidades na produção de papel higiênico ao não fabricar o produto tabelado, para priorizar outras marcas, cujos preços são liberados.

Fábricas das duas empresas foram alvo de batidas dos fiscais na cidade de Maracay (norte), dando origem a ações em defesa dos consumidores.

Chávez tem reforçado o controle sobre o setor de produção de alimentos e produtos básicos, numa tentativa de enfrentar a inflação e amenizar a onda de escassez de comida na Venezuela.

Várias processadoras de arroz já sofreram intervenções - incluindo uma filial da americana Cargill, que foi diretamente expropriada no início do mês.