Começa julgamento de envolvido nos atentados em Mumbai

REUTERS

NOVA DÉLHI - Em meio a eventuais ataques de riso, o homem acusado de ser o único sobrevivente entre os autores dos atentados do ano passado em Mumbai disse nesta segunda-feira a um tribunal indiano que ele é do Paquistão e deseja assistência jurídica, segundo autoridades.

O julgamento de Mohammed Ajmal Kasab, indiciado em fevereiro pela polícia por 'travar uma guerra' contra a Índia, começou nesta segunda-feira via videoconferência - o réu permanece preso em Mumbai.

No final de novembro, homens armados mataram 166 pessoas em vários pontos da metrópole financeira da Índia, numa ação que durou três dias.

Sorridente, barbado, Kasab respondeu com firmeza quando questionado se havia recebido uma cópia das acusações e se desejava um defensor público, de acordo com o procurador Ujjwal Nikam, advogado do governo.

- Ele ficou sorrindo o tempo todo e disse que era de Faridkot, no Paquistão - disse Nikram. - Ele começou a rir quando o juiz lhe perguntou se entendia tudo o que estava na folha de acusação - explicou.

Os atentados provocaram uma fase de tensão agravada entre os eternos rivais Índia e Paquistão. Nova Délhi acusa os serviços de inteligência paquistaneses de envolvimento nos ataques. Islamabad nega e exige que a Índia apresente provas.